quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Aumenta a onda de assaltos junto ao campus de Gualtar - assaltantes estão descontentes


Com o avolumar da crise a nível internacional, o aumento do número de assaltos junto ao campus de Gualtar da Universidade do Minho nos últimos meses tem sido notório. No entanto, não só as vítimas mas também os assaltantes se revelam descontentes com esta situação. O Opiário esteve à conversa com Mãos Leves (nome fictício) que revelou ser cada vez mais difícil a vida de assaltante no nosso país pois aquilo que dantes facturava com um único assalto, obriga-o a fazer agora três ou quatro "Os estudantes estão cada vez mais lisos, bolsas de estudo nem vê-las e quem se lixa somos nós... os trabalhadores". "Somos postos de lado pela sociedade, trabalhando muitas vezes pela noite fora, sem receber horas extraordinárias, chega a haver noites que não faço mais que 3 telemóveis, 30 euros e 2 chicletes". Mãos Leves que seguiu a profissão do pai e do avô, não aconselhará o seu filho a seguir as suas pisadas "Já não há futuro para quem assalta... o melhor vai ser ele ir trabalhar como o primo... no tráfico".

by: Opiário
www.opumdei.com